Pular para o conteúdo principal

Jornalismo | A importância de um novo idioma

Pixabay


Vivemos em um mundo onde as mídias e tecnologias tem feito parte da vida cotidiana de todos nós.

Inseridos nesse desenvolvimento, podemos concluir que a falta de um novo idioma, nos exclui do mercado de trabalho.

Não adianta formar na melhor universidade e após conclusão de curso ser incapaz de concorrer com os grandes em um mundo corporativo.

Não digo grandes em recursos financeiros, e sim em conhecimento.

Falar um novo idioma, principalmente o inglês, é primordial.

No jornalismo, estudamos Zygmunt Bauman e sua visão de exclusão, que pensando bem, faz sentido.

Enquanto lia Vidas Desperdiçadas, achei muito agressivo sua maneira de esclarecer sobre os tipos de exclusão, mas é preciso ler nas entrelinhas.

O idioma também exclui. Isso faz parte da ordem. Como o jornalista quer ir para uma estatal, não preciso ir tão longe, ainda que seja no jornal local, e ser reconhecido pelo seu trabalho, se mal compreende o próprio português? Hoje, só o curso de graduação ainda é pouco.

Daí você me pergunta: E você? Sabe inglês? Repondo: o básico, que mal, mal foi capaz de me ajudar no exterior. E isso me trouxe um despertar enquanto profissional.

Em nossa cidade, há uma escola de idiomas que super indico, a Fernando Idiomas, inclusive meu esposo faz francês lá, e já tem um pouco de base, mesmo que em pouco tempo, para compreender melhor vídeos em francês.

A propósito, em 2018, a empresa em que trabalho, a Carmim Turismo,  estará com saídas para intercâmbio de idiomas em diversas partes do mundo (tarifários disponíveis, a partir de julho de 2017), ótima oportunidade para aperfeiçoamento do idioma.

E se você não tem dinheiro para ir em uma instituição de ensino, ou fazer intercâmbios, há vários videos no youtube que ensinam o b a ba do idioma que você escolher.

Veja no link


Então é isso. Um super beijo da Klissia Mafra e até a próxima.

Pixabay

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Paixão por História com Felipe Dideus e Débora Aladim

Desesperadamente sem rumo? Não consegue entender sua professora de História? Calma que dois YouTubers vão resolver seu problema de uma forma bem diferente. Felipe Dideus, 23 anos, São Lourenço - MG e Débora Aladim, 18 anos, Belo Horizonte - MG, serão os primeiros entrevistados do blog. A paixão deles pela matéria fez com que tivessem vontade de compartilhar, criando assim um canal no youtube, porém ambos tem um jeitinho diferente de te fazer entender melhor o que aconteceu no passado do nosso queridíssimo Brasil. Vamos começar nossa entrevista!
Primeira pergunta, quando começou essa paixão por História? Felipe Dideus:Bem, sempre gostei, mas o meu interesse cresceu mesmo quando comecei a atuar no canal. Quando entrei de cabeça nessa jornada chamada história. Débora Aladim: Eu sempre amei história, é a paixão da minha vida.
Como surgiu a ideia de fazer um canal no YouTube para ensinar historia de uma forma tão diferente e personalizada? Felipe Dideus: Eu fazia parte da equipe de uma página, …

Cabelo repartido ao meio vira tendência entre as mulheres

Agora a moda é partir o cabelo ao meio, durante muito tempo as mulheres usaram o cabelo com franja para o lado, mas atualmente algumas famosas adquiriram a moda de partir o cabelo ao meio e isso virou febre.
Para mostrar essa tendência entre as mulheres, vamos ver algumas fotos da Maria Clara Lima, ela que é cantora, modelo e atriz, tem algumas fotos em seu Instagram, aderindo a esse novo estilo.




Lembrando que devemos observar sempre o formato do nosso rosto na hora de mudar o visual.  E vocês o que acharam? Eu já abandonei a franja!

Resenha | É FADA! - Kéfera Buchmann

É FADA! - foi lançado no dia 06 de outubro de 2016, dirigido por Cris D´Amato, o filme foi baseado no livro ''Uma fada veio me visitar'', por Thalita Rebouças. Um elenco formado por Klara Castanho, Charles Paraventi, Bruna Griphão entre outros e a personagem principal, claro, a forte presença da youtuber Kéfera Buchmann. No filme ela interpreta a fada Geraldine, onde sua missão para conseguir suas asas é ajudar a adolescente Júlia (Klara Castanho), que precisa se enturmar na nova escola, a garota não tem a vida fácil, sofre com a separação dos seus pais e seu jeito nada feminino interfere em sua vida social. A garota ao chegar em seu quarto se surpreende com uma fada sem asas, onde tudo começa com uma simples frase: você só tem três...
A partir dai a Júlia tem algumas alterações no seu visual e em sua vida social, passando por altos e baixos para conseguir se enturmar, o filme destaca que devemos aceitar quem somos de verdade, sem preconceitos ou uma forma padrão para …