Pular para o conteúdo principal

Logan | Hugh Jackman do início ao fim

       Desde o princípio cinematográfico é comum observarmos atores que ficaram marcados por grandes personagens e que se tornaram insubstituíveis pelos fãs. O que dizer de Harrison Ford no emblemático papel do contrabandista Han Solo, do ousado Johnny Depp que por 14 anos viveu, e ainda vive, o Capitão Jack Sparrow, o cômico Robert Downey Jr. que interpreta com maestria o empresário Tony Stark, ou Daniel Radcliffe que cresceu junto do enigmático bruxo Harry Potter, dentre outros tantos.
       Atualmente, o cinema se despede de um grande ícone para o crescimento e consolidação de um personagem. Ele é simplesmente Hugh Jackman, que há 17 anos protagonizou o canadense James Howlatt, que após uma tragédia familiar assume a identidade de Logan.


Para falar de James, Logan ou Wolverine é preciso voltar alguns anos na história, neste caso ao ano de 1960. Nele, os estúdios da Marvel Comics decidiram adotar uma galera mais jovem na elaboração das Hqs, com isso foram surgindo aos poucos alguns heróis de personalidades complexas e duvidosas como Luke Cage, Justiceiro e o Motoqueiro Fantasma. Neste meio, Logan, com suas garras afiadas, chega como um selvagem que bebia muito, fumava charutos, era grosseiro e arrogante. E, em seus momentos de descontrole, chegava a ficar irracional.
Antes de sua estreia em X-Men, Wolverine fez algumas aparições contra o Incrível Hulk. Devido ao grande sucesso, logo ele passa a compor o seleto grupo de mutantes vindos de diversas partes do mundo, consolidando um sucesso em praticamente todas as histórias como protagonista.
Com a grande repercussão dos quadrinhos e do desenho animado, o sucesso foi inevitável. Nos anos 2000 o universo X-Men ganha as telonas trazendo um grande número de heróis e vilões já apresentados nos quadrinhos. Ação repetida em 2003 (X-Men 2), 2006 (X-Men: O Confronto Final), 2011 (X-Men: Primeira Classe), 2014 (X-Men: Dias de um Futuro Esquecido) e 2016 (X-Men: Apocalispe).
Mas Wolverine se consagra de vez ao ganhar dos estúdios Fox um filme individual que retratou, ou pelo menos tentou retratar, suas origens, daí o nome X-Men Origens: Wolverine (2009). A grande atuação de Jackman se viu ofuscada em alguns instantes pelos erros de roteiro e retratações de personagens, a exemplo do bizarro Deadpool que arrancou dos fãs um misto de ódio e humor negro repercutido até os dias de hoje. Porém, com as com as devidas proporções, o filme foi um sucesso e ganhou sequência 4 anos depois, com a trama se passando no Japão. O filme não extrapola as críticas, mas é mais aclamado pelo público do que o anterior.
Então chega 2017, e Jackman mais uma vez recebe a missão de interpretar Wolverine, só que desta vez a realidade é outra. Os X-Mens estão praticamente extintos e Logan, já mais velho, está longe de todo o heroísmo interpretado em outros filmes. “Um filme de gente grande” é a perspectiva que o diretor James Mangold adotou para o enredo neste último longa. Um filme sangrento, com indicação para maiores de 18 anos. Digno de aplausos, digno de elogios, digno de Hugh Jackman.

Warley Vasconcellos

Comentários

  1. Gente, nem acredito que fazem 14 desde o primeiro Piratas do Caribe... tô velha. Ao contrário da maioria das pessoas, eu gostei mais do primeiro filme do Wolverine do que do segundo, e sim, a representação do DeadPool ali foi horrível. Pretendo ver Logan no cinema na semana que vem, minhas expectativas não são nem ruins e nem boas, só espero pra ver.
    Beijo, www.apenasleiteepimenta.com.br ~Neste mês tem post todo dia no Blog~
    Participe do Concurso e Concorra a um Mídia Kit

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O primeiro filme não é uma aberração, mas para quem acompanhou toda a trama pelas HQs ficou aquele sentimento de "Só isso?"
      Ontem 02/03 fui a estreia de Logan e o que posso te dizer é que Mangold produziu um filme épico, chocante e sangrento.

      Excluir

Postar um comentário

Comenta ai! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

Paixão por História com Felipe Dideus e Débora Aladim

Desesperadamente sem rumo? Não consegue entender sua professora de História? Calma que dois YouTubers vão resolver seu problema de uma forma bem diferente. Felipe Dideus, 23 anos, São Lourenço - MG e Débora Aladim, 18 anos, Belo Horizonte - MG, serão os primeiros entrevistados do blog. A paixão deles pela matéria fez com que tivessem vontade de compartilhar, criando assim um canal no youtube, porém ambos tem um jeitinho diferente de te fazer entender melhor o que aconteceu no passado do nosso queridíssimo Brasil. Vamos começar nossa entrevista!
Primeira pergunta, quando começou essa paixão por História? Felipe Dideus:Bem, sempre gostei, mas o meu interesse cresceu mesmo quando comecei a atuar no canal. Quando entrei de cabeça nessa jornada chamada história. Débora Aladim: Eu sempre amei história, é a paixão da minha vida.
Como surgiu a ideia de fazer um canal no YouTube para ensinar historia de uma forma tão diferente e personalizada? Felipe Dideus: Eu fazia parte da equipe de uma página, …

Cabelo repartido ao meio vira tendência entre as mulheres

Agora a moda é partir o cabelo ao meio, durante muito tempo as mulheres usaram o cabelo com franja para o lado, mas atualmente algumas famosas adquiriram a moda de partir o cabelo ao meio e isso virou febre.
Para mostrar essa tendência entre as mulheres, vamos ver algumas fotos da Maria Clara Lima, ela que é cantora, modelo e atriz, tem algumas fotos em seu Instagram, aderindo a esse novo estilo.




Lembrando que devemos observar sempre o formato do nosso rosto na hora de mudar o visual.  E vocês o que acharam? Eu já abandonei a franja!

Resenha | É FADA! - Kéfera Buchmann

É FADA! - foi lançado no dia 06 de outubro de 2016, dirigido por Cris D´Amato, o filme foi baseado no livro ''Uma fada veio me visitar'', por Thalita Rebouças. Um elenco formado por Klara Castanho, Charles Paraventi, Bruna Griphão entre outros e a personagem principal, claro, a forte presença da youtuber Kéfera Buchmann. No filme ela interpreta a fada Geraldine, onde sua missão para conseguir suas asas é ajudar a adolescente Júlia (Klara Castanho), que precisa se enturmar na nova escola, a garota não tem a vida fácil, sofre com a separação dos seus pais e seu jeito nada feminino interfere em sua vida social. A garota ao chegar em seu quarto se surpreende com uma fada sem asas, onde tudo começa com uma simples frase: você só tem três...
A partir dai a Júlia tem algumas alterações no seu visual e em sua vida social, passando por altos e baixos para conseguir se enturmar, o filme destaca que devemos aceitar quem somos de verdade, sem preconceitos ou uma forma padrão para …